Vem a era da moda sustentável

Coluna de Moda, por Isabor Cavalcante

 

                                                       A última tendência é sustentabilidade 

 

Oi Genteee…

Vamos começar a Coluna falando sobre um assunto muito interessante, moda e sustentabilidade.

Vocês sabiam que na França as grandes marcas como: Louis Vuitton e H&M, quando não vendem toda a coleção, descartam em aterros sanitários ou queimam para não ter que abaixar os valores. Absurdo não é mesmo, mas já existem algumas propostas de incentivo, confira na matéria.

Em 2016 a França foi o primeiro país do mundo a proibir que supermercados jogassem fora ou destruíssem alimentos que não foram vendidos.

Com esses pensamentos, alguns promotores querem desenvolver o mesmo projeto para a moda. Essa iniciativa vem da “Circular Economy Roadmap” traduzindo “Roteiro da Economia Circular”, são 50 medidas que a França definiu para se tornar uma economia sustentável. O projeto que pretende ser implantado a partir de 2019 prevê destinos mais viáveis, como reciclagem das roupas ou doações para casas de caridade.

O plano incentivará um esforço nacional colaborativo para descartar o modelo “consumo e descartar” da França, a proposta cita:

– Desperdício

– Resíduos de embalagem

– Aterro

– Veículos em fim de vida

– Diretiva de resíduos de equipamentos elétricos e eletrônicos

– Pilhas gastas entre outros.

Para o projeto funcionar é necessária a colaboração de todos como cidadãos, consumidores, governos locais, empresas e estado. O roteiro reflete a iniciativa da sociedade nacional para se livrar do modelo “consumir e descartar”.

Em termos quantitativos, os objetivos do roteiro incluem:

  • Reduzir o consumo de recursos em 30% até 2030 (em relação ao PIB de 2010)
  • Reduzir a quantidade de resíduos não perigosos depositados em aterros em 50% até 2025 (em relação ao PNB de 2010)
  • Em direção a uma taxa de reciclagem de 100% de plástico até 2025
  • Reduzindo as emissões de gases de efeito estufa em cerca de oito milhões de toneladas por ano através da melhoria da reciclagem de plásticos
  • Criação de até 300.000 novos empregos, inclusive em novas atividades de negócios.

O roteiro é estruturado como um esquema de quatro pontos projetado para melhorar os métodos de produção, melhorar o comportamento de consumo, avançar na reciclagem de resíduos e garantir o envolvimento mais amplo possível das partes interessadas.

 

De acordo com o European Clothing Action Plan, os europeus consumiram 6.4 milhões de toneladas de roupas em 2017. Só a França descarta aproximadamente 600.000 toneladas de roupas e acessórios por ano, desse número, apenas um quarto é coletado para reciclagem ou doação.

É muito provável ter desconto nos impostos as marcas que reciclarem ou usarem novamente uma peça que iria para o aterro. Assim, talvez ela não seja uma lei propriamente dita, mas um incentivo.

A marca Coco Chanel se posicionou sobre o assunto: “Nós evitamos o descarte de roupas não vendidas e fazemos tudo o que podemos para acabar com isso. A estratégia de produção das coleções da Chanel, que acontecem somente quando recebemos pedidos de nossos clientes, diminui consideravelmente nosso estoque. Estamos também pensando sobre as melhores formas de reciclar nossos itens não vendidos”.

 

 

                                                   Os mais bem vestidos da semana na Faculdade

 

                                          Ana Carla Feitosa Souza– cursa 8° período de Jornalismo.

A linda e espontânea  Ana Carla usa um vestido lindo vermelho canelado com listras e floral (bem verão).

As cores quentes sempre dão uma energia para cima no visual.

Os sapatos de salto grosso na cor nude (tendência) com branco.

 

 

                                                         FICA A DICAAA… BRECHÓ é CHIC ou Brega?

 

Muitas pessoas quando pensam em Brechó logo vem a cabeça coisas velhas e cheirando a mofo kkk,  mas não é bem assim. Brechó é sinônimo de Vintage, clássico, retrô, uma recuperação de estilos dos épocas passadas.

Tanto isso é verdade que está tomando uma proporção muito maior em todo o país.

Os brechós são mais comuns no EUA, onde você pode encontrar peças como Dior, Armani e até Coco Chanel, os looks e as lojas tem um estilo mais Vintage. Aqui no Brasil os brechós são mais conhecidos em São Paulo onde tem essa pegada gringa, lojas bem decoradas (clássicas), e roupas selecionadas para seu público.

Mas à cerca de dois anos a geração milênio (geração internet), trouxe os brechós à tona no país inteiro, é muito comum hoje em dia sites de brechós e até blogueiras promovendo seus próprios “Desapegos” (nome estilizado ao brechó).

Além disso, tudo trás a tona sobre a reciclagem, moda e sustentabilidade.

A moda sempre volta porque não tem um acervo para venda deles? Além de sustentável sempre tem aquela peça retrô que você se identifica.

Fast fashion (moda rápida) significa um padrão de produção e consumo no qual os produtos são fabricados, consumidos e descartados – literalmente – rápido.

Fonte: Wikipédia.

E em pleno século XXI tudo que não precisamos é de desperdício!

Eu sou super a favor do Brechó, já comprei, já fiz “desapego” e quer saber? Adorei!

Sustentabilidade está em tudo, inclusive na Moda. Vamos desapegar para alguém se apegar.

 

 

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *