Programa de Monitoria atrai estudantes de Comunicação

Na última quarta-feira (20.09) aconteceu a aplicação das provas referente ao Programa de Monitoria Voluntária, que dá oportunidade aos estudantes da Escola de Comunicação que têm interesse em seguir carreira no âmbito de Magistério. Além de exercitar ainda mais a teoria da disciplina escolhida, o acadêmico vivencia na prática a rotina do docente, e tem direito a computar 40 horas de atividades complementares. Houveram vagas para as disciplinas de Mídia, Sociologia da Comunicação e Gêneros Informativos – Notas e Notícias.

O acadêmico Filipe Távora, 19 anos, do sexto período de Jornalismo, diz que se aprovado no programa pretende adquirir mais conhecimento da disciplina “Notas e Notícias” que já cursou, além de compreender na forma prática a maneira que deve se comportar como professor em sala de aula. “A reflexão e a pesquisa na área do Jornalismo são duas coisas que naturalmente me agradam. Pretendo seguir carreira tanto no âmbito de sala de aula, tanto como na pesquisa, pois seriam funções interessantes para me testar na pratica”, afirma Filipe.

A estudante Izabel Gonçalves, de 25 anos, do oitavo período, alega que admira a profissional que a professora Liége Albuquerque é, e também a forma em que ela atua e se expressa em sala de aula. Ela ainda diz que o compartilhamento das experiências de mestre com o aluno traria benefícios. “A professora Liége é como um espelho para mim, o conhecimento e a bagagem que ela possui é estimador”, diz a formanda.

A Professora Liége Albuquerque se dispôs a participar do programa de monitoria e acompanhar o desenvolvimento do acadêmico aprovado do curso de jornalismo, e em entrevista ao Portal Dialog, esclarece dúvidas e conta curiosidades em relação a esta oportunidade na formação do aluno e sobre sua carreira no magistério.

 

Entrevistador: Qual a importância da Monitoria Voluntária para um aluno que quer seguir carreira na área do magistério e da pesquisa?

Liége: Acho fundamental essa oportunidade. O professor não é obrigado por instituição a ter um monitor, e quando ele se disponibiliza a receber o acadêmico, o mesmo deve abraçar esta oportunidade, uma vez que o professor irá mostrar ao aluno como ele prepara a aula e a prática da função. Muitas vezes o profissional acaba entrando no magistério sem ter tido uma chance dessas.

Entrevistador: Como será a metodologia de Monitoria que a Uninorte está oferecendo ao acadêmico de Jornalismo?

Liége: Vou deixá-lo ciente dos planejamentos que faço para a classe, como a ementa, projetos, planos de aula, além das regras que serão seguidas conforme o edital.

Entrevistador: Em visão de mercado de trabalho, vale a pena o aluno continuar no âmbito da pesquisa e seguir carreira nela?

Liége: Igualmente a todas as outras áreas, o mercado de trabalho sempre terá espaço para um profissional que seja competente, persistente e sério no que faz.

Entrevistador: Qual sua área no curso de Mestrado e o tema escolhido na sua dissertação?

Liége: Ciências Políticas na USP, o tema escolhido foi “A Ascenção e a queda do político Fernando Collor de Melo nas revistas Veja e IstoÉ”.

Entrevistador: Você se sente uma profissional realizada?

Liége: Me sinto uma profissional extremamente realizada, exerço minha função sempre com muita paixão, seja na área de reportagem ou no magistério. Me sinto realizada na profissão que escolhi aos 16 anos, isso é muito bom.

A professora Liége ainda diz que se apaixonou pelo Jornalismo e escolheu cursá-lo aos 16 anos e se formou com 21, ela tenta passar toda essa sua “paixão” pela área para alunos que também queiram ministrar aulas do curso.

O resultado da seleção de monitoria será divulgado no dia 25 de setembro 2017, e a relação dos selecionados estarão em lista disponibilizadas na Coordenação do Curso, no Sicanet e aqui no Portal Dialog.

 

Por Henrique das Chagas

Foto: Divulgação

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *